Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2019

Erro médico: consequências e responsabilidade civil

Imagem
Por: Ana Helena Guimarães " Eu juro, por Apolo médico, por Esculápio, Hígia e Panacea, e tomo por testemunhas todos os deuses e todas as deusas, cumprir, segundo meu poder e minha razão, a promessa que se segue: [...] Aplicarei os regimes para o bem do doente segundo o meu poder e entendimento, nunca para causar dano ou mal a alguém. [...] Se eu cumprir este juramento com fidelidade, que me seja dado gozar felizmente da vida e da minha profissão, honrado para sempre entre os homens; se eu dele me afastar ou infringir, o contrário aconteça ." A promessa de Hipócrates, que há muito vem sendo repetida pelos graduandos do curso de medicina, representa um ótimo direcionamento para a compreensão da questão do erro médico. Conforme o juramento, os conhecimentos sobre a saúde humana devem ser usados para o bem do doente, nunca para causar dano. Esse pensamento se alinha com a norma básica de responsabilidade civil, que determina que “ aquele que, por ação o

Home care: o plano de saúde é obrigado a cobrir?

Imagem
Por: Ana Helena Guimarães Como o próprio nome sugere, Home Care significa “cuidados no lar”. Trata-se de uma extensão dos cuidados hospitalares, porém inseridos dentro do âmbito familiar. Constitui-se como parte de um processo de “desospitalização”, proporcionando um tratamento mais humanizado para o paciente. As vantagens são inúmeras. Além da diminuição dos riscos de infecções hospitalares, o Home Care proporciona maior integração e acolhimento da família com o doente, o que eleva as chances de recuperação. Em contrapartida, o hospital também se beneficia, pois sobram leitos e diminuem os custos de hotelaria (lavanderia, alimentação etc). Conforme Resolução 1.668/2003 do Conselho Federal de Medicina (CFM), o serviço de Home Care é composto de equipes multidisciplinares, que devem abranger médicos, enfermeiros, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, nutricionistas e psicólogos. Muitos usuários de planos de saúde se pergun